Loading...

terça-feira, 15 de junho de 2010


Indefinível saudade!
Saudades do que não fui?
Ou do que não vivi?
Saudades do que não sei...
Sinto saudades de mim!
Perdi as asas ao caminhar.
Sozinha, no caminho sem destino,
sento e choro de saudades dos
anos que se foram e me deixaram aqui.
Dormi demais. A vida me sedou.
Sou mulher com vontades de menina.
Sai do prumo, estou sem rumo,
não sei para onde vou...
O espelho me diz que
está tudo bem.
Ele mente.
Vou quebrá-lo.
Superstição?
Quebrarei também.
Ninguém consegue me ver
além de mim...
Espero que ao menos
alguém possa me ler
nas entrelinhas, reticências,
aquém de mim...
Não sou poesia,
Nem poema.
Sou apenas alguém,
com saudades de si...

Nenhum comentário:

Postar um comentário